A estética genital tem ganhado cada vez mais aliados. Entre os mais recentes, temos o laser e a radiofrequência vaginal.

A radiofrequência é indicada como tratamento dos sintomas da menopausa. Por meio de ondas eletromagnéticas que geram aquecimento na região genital, a temperatura celular é elevada. Como resultado acontece o estímulo da produção de colágeno, aumento da vasodilatação e oxigenação, nutrição dos tecidos, aumento do trofismo e a estabilização do PH vaginal. Assim, é um tratamento indicado para quem sofre com a secura vaginal, coceira e queimação, vaginite e cistite recorrentes, incontinência urinária de esforço leve, sensibilidade reduzida, envelhecimento e flacidez vulvar, atrofia e disfunção sexual.

Já o laser é um equipamento que emite ondas térmicas e raios de luz fracionados que geram calor na região. Assim, possui uma atuação bem semelhante à radiofrequência e portanto também estimula produção de colágeno, melhora a vascularização e o o tônus da musculatura da região genital. Possui indicação similar a da radiofrequência.

A diferença fica por conta da quantidade de sessões de cada aparelho. Enquanto na radiofrequência são necessárias em média 8 sessões, para o laser são necessárias 3.

Os tratamentos devem ser realizados por médicos ginecologistas. Agende uma consulta para ver se são adequados ao seu caso.
___
Drª Caroline Obrali
📌Ginecologista Curitiba
📌CRM/PR 25922 | RQE 1931
📱41. 3533-6349
📍R. Buenos Aires, 466 – Sala 84

Deixar seu comentário

Responsável Técnico:

Dra. Caroline Wall Obrali - Ginecologista
CRM/PR 25922 | RQE 1931

Todo conteúdo deste site tem caráter meramente informativo e não deve ser utilizado para realizar autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação.
Em caso de dúvidas, consulte o seu médico.

No images found!
Try some other hashtag or username

Combustiva © 2020. Todos os Direitos Reservados.